Ansiedade causada por perder celular pode virar doença, dizem pesquisadores

Se você já ficou sem celular por ele ter sido quebrado, roubado ou perdido, deve saber que a sensação não é nada boa. E pesquisadores acreditam que ela só deve piorar no futuro: segundo o professor Ki Joon Kim da Universidade de Hong Kong, ela pode acabar tornando-se uma espécie específica de ansiedade causada por separação.

Em entrevista ao jornal nacional escocês, Kim argumentou que esse tipo específico de ansiedade – que ele chama de “nomophobia”, do inglês “no mobile phone” (sem celular) – não tem a ver com a incapacidade de fazer ou receber ligações. Ela se deve ao fato de que os celulares são uma parte de nossa identidade e funcionam como uma espécie de extensão de nós mesmo.

“Quando os usuários percebem seus celulares como uma extensão de si, eles têm maior probabilidade de criar um vínculo com o aparelho, o que, por sua vez, leva à nomophobia”, disse ele. No futuro, ela pode acabar se tornando um tipo de ansiedade a ser tratada separadamente; Kim, ao menos, já a estuda dessa maneira.

Em parte, isso ocorre por causa dos aplicativos e redes sociais. Como o Ubergizmo aponta, apps como o Facebook, o WhatsApp, o Instagram e o Twitter são maneiras essenciais para entrarmos em contato com nossos amigos e parentes; ficar sem eles significa, até certo ponto, ficar sem os amigos e parentes.

Fatores de risco

Isso acontece porque, segundo um estudo publicado por Kim em parceria com pesquisadores sul-coreanos, a capacidade do celular evocar memórias pessoais aumenta a probabilidade de que os usuários o vejam como uma extensão de si. E a presença dessas redes sociais, bem como de fotos e arquivos pessoais importantes ao usuário, aumentam a chance de que o dispositivo evoque memórias pessoais em seu dono.

Kim acredita que, no futuro, essa tendência deve se acentuar. “Desenvolvimentos recentes de aplicativos e celulares parecem inevitavelmente aumentar o apego dos usuários, pois a tecnologia e os serviços relacionados se tornam cada vez mais personalizados e customizáveis”, afirmou.

Por isso, ele acredita que é importante tomar um cuidado consciente com esse risco – e que desativar os celulares totalmente não seja a melhor solução. “Usuários devem ficar atentos para não se tornar demasiadamente dependentes de seus celulares, mas ao mesmo tempo usufruir das capacidades dessa tecnologia”, considera.

 

Fonte: Ansiedade causada por perder celular pode virar doença, dizem pesquisadores

Anúncios

14 mitos e verdades sobre a ansiedade | Superinteressante – Super Interessante

1. Animais de estimação podem ajudar pessoas ansiosas

VERDADE. Sabe aquela alegria ao encontrar seu animal de estimação ao chegar em casa? Pois é, estudos apontam que conviver com um bichinho traz inúmeros benefícios para a saúde — entre eles, diminuir a ansiedade. Segundo uma pesquisa da Faculdade de Medicina de Virgínia (EUA), após sessões de recreação e terapia assistida com os pets, pacientes com distúrbios psicóticos, do humor e outros transtornos foram avaliados e apresentaram reduções significativas nos índices de ansiedade.

2. Certas bebidas amenizam e outras intensificam os sintomas da ansiedade

MEIA VERDADE. Água com açúcar, chás, bebidas com cafeína… Dependendo do momento e da sua situação, é bem provável que uma bebida quente traga algum conforto. Porém, é preciso dizer: chá de camomila e suco de maracujá, por exemplo, têm apenas efeito placebo (aquele sentimento de cura que não tem comprovação científica), ou nenhum efeito. “De maneira geral, para apresentar algum resultado, essas bebidas precisam ser ingeridas em grande quantidade”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva.
Já substâncias como a cafeína, presentes em alguns tipos de chás, refrigerantes em geral, achocolatados e, principalmente, no cafezinho, interferem nos níveis de vários neurotransmissores, funcionando como estimulantes. Em alguns casos, é possível associar a cafeína à ansiedade, dependendo da quantidade ingerida e do organismo de cada indivíduo.

(Branimir76/iStock)

3. A ansiedade está ligada ao envelhecimento

MEIA VERDADE. Não é que a pele fique mais enrugada instantaneamente ou que os pés de galinha se multipliquem. Mas, em nível celular, esse envelhecimento precoce pode mesmo acontecer. Transtornos de ansiedade podem ter conexão com o envelhecimento precoce das células de pessoas de meia-idade — é isso que aponta um estudo realizado por pesquisadores do Bringham and Women’s Hospital, ligado à Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Durante a pesquisa, o envelhecimento celular precoce era uma característica comum em todas as mulheres que descreveram sintomas do transtorno de ansiedade. Nessas participantes, as células aparentavam ser seis anos mais velhas que o normal.

4. Afastar-se da causa da ansiedade faz com que ela suma

MITO. Evitar a ansiedade tende a reforçá-la. De acordo com a Anxiety and Depression Association of America (ADAA), suprimir seus pensamentos torna-os mais fortes e frequentes. Esquivar-se do sentimento não é uma boa saída, pois passa a impressão de que nada está acontecendo — e quanto mais se evita o problema, pior ele fica. Inclusive, em fobias, as técnicas costumam ser de enfrentamento e não de evitação – passo a passo o paciente é aproximado do motivo da fobia.

5. Exercícios respiratórios podem ajudar durante crises

VERDADE. A respiração é um dos mecanismos de controle durante uma crise de ansiedade, mas seus efeitos variam para cada pessoa. Os exercícios respiratórios se mostram eficazes e estão presentes na terapia cognitivo-comportamental e na meditação, ambas eficazes no tratamento da ansiedade.

6. Bebidas alcoólicas ajudam a combater a ansiedade

MITO. Após um longo dia de trabalho, uma cerveja gelada no bar não é nenhum pecado, não é mesmo? Só que nem sempre aquele happy hour é inocente. Em muitos casos, as pessoas com ansiedade podem recorrer a artifícios como as bebidas, para tentar escapar de uma sensação, que, na verdade, precisa de acompanhamento médico. A impressão de tranquilidade trazida após goles e goles é passageira – e pode acarretar ainda mais problemas, como a dependência. Um artigo publicado pelo Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo (EUA) explica que pessoas com altos níveis de ansiedade relatam que o álcool as ajuda a se sentir mais confortáveis em situações sociais. Assim, não é surpreendente que indivíduos com transtorno de ansiedade social clinicamente diagnosticado tenham uma maior incidência de problemas relacionados ao álcool do que a população em geral, graças ao alívio temporário.

7. Impotência e ejaculação precoce são sintomas de ansiedade

MEIA VERDADE. Um grau leve da sensação pode ser positiva para homens e mulheres – induz a excitação e pode até facilitar o orgasmo. No entanto, casos mais graves de ansiedade são realmente prejudiciais. Homens com ejaculação precoce podem ter até 2,5 vezes mais chance de ter ansiedade grave. Há estudos que indicam prevalência de homens que apresentam disfunções sexuais entre os diagnosticados com transtornos de ansiedade.

(Vesnaandjic/iStock)

8. Ter um hobby combate a ansiedade

MEIA VERDADE. Hobbies e passatempos em geral podem auxiliar pessoas com sintomas de ansiedade. Entretanto, se o indivíduo já foi diagnosticado com transtorno de ansiedade, apenas atividades ocupacionais ou de lazer não serão suficientes para que ele se cure. “Quando você usa medicação, psicoterapia e acrescenta hobbies, você ajuda o tratamento. Mas sempre temos que diferenciar a ansiedade sintoma da ansiedade doença”, afirma Antônio Geraldo da Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria. Ou seja, apenas um ansioso não patológico pode melhorar.

9. Lugares, objetos e até cheiros podem gerar crises de ansiedade

VERDADE. Uma pessoa com transtorno de ansiedade pode ficar mais sensível até diante de uma situação corriqueira. De acordo com o presidente da ABP, lugares, objetos e cheiros podem, sim, agir como gatilhos para o aparecimento de sintomas da ansiedade e estão relacionados às vivências anteriores de cada indivíduo.

10. Ansiedade pode ter relação com doenças gastrointestinais

VERDADE. De acordo com um estudo realizado na McMaster University, no Canadá, o intestino humano abriga quase 100 trilhões de bactérias que são essenciais para a saúde — inclusive para sua cabeça. As vias de comunicação estabelecidas pelo intestino incluem, por exemplo, o sistema nervoso e o sistema imunológico. A pesquisa sugere, com base em recentes descobertas, que a microbiota intestinal é um importante fator na forma como o corpo influencia o cérebro e interfere no risco de doenças, incluindo ansiedade e transtornos de humor.

(aleksandar kamasi/iStock)

11. Maconha causa ansiedade

MEIA VERDADE. O uso da maconha pode despertar ansiedade da mesma forma que pode aliviar a tensão, tudo depende de como é usada: quantidade, experiência prévia e contexto. Pesquisas têm demonstrado o envolvimento da maconha na regulação das emoções. O artigo publicado pelo periódico científicoRevista da Biologia, da USP, explica que o uso da cannabis pode causar efeitos ansiolíticos, ansiogênicos ou ocorrência de ataques de pânico. Usuários crônicos, de acordo com a publicação, relatam uma redução na ansiedade e alívio da tensão após
o consumo, uma das razões para o uso contínuo da maconha.

12. Drogas sintéticas como LSD podem funcionar em tratamentos contra ansiedade

MEIA VERDADE. A revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA publicou um estudo no final de 2016 que aponta que, em muitos distúrbios psiquiátricos, o cérebro age em padrões automatizados e rígidos. Nesses casos, as substâncias alucinógenas trabalham para quebrar as desordens. Ou seja: as drogas podem desligar os padrões que causam os transtornos e, assim, atuar no tratamento de problemas psicológicos. Vale lembrar que possíveis terapias teriam de ser acompanhadas por profissionais.

13. A ansiedade tem causas genéticas e ambientais

VERDADE. Os transtornos de ansiedade também estão relacionados à hereditariedade, ou seja, às informações genéticas que você recebe de seus pais. Fatores ambientais, como a exposição ao chumbo, “atuam como desencadeadores da patologia”, como afirma o presidente da ABP, Antônio Geraldo da Silva.

(JGalione/iStock)

14. Tentar se distrair ajuda a acalmar pessoas ansiosas

MEIA VERDADE. Ações que distraem (como espreguiçar-se, contar o número de lâmpadas do ambiente ou enumerar objetos que estejam ao redor) são capazes de relaxar e retirar as pessoas do foco. Mas, atenção: isso só é válido para uma crise de ansiedade comum, diferente de crises em que a ansiedade já está no estágio de transtorno ou doença. “

Fonte: 14 mitos e verdades sobre a ansiedade | Superinteressante

Ansiedade e seus Transtornos | Cristal Fanucci

 

Todos nós já sentimos ansiedade alguma vez na nossa vida. É uma reação normal diante de certas circunstâncias que podem representar um perigo para nós e o nosso sistema de sobrevivência está tentando nos proteger.
El é muito útil se, por exemplo, caminhamos à noite em uma rua perigosa. A ansiedadeserve para nos deixar mais atentos, em estado de alerta. Outro exemplo é quando temos um exame importante, pois a ansiedade nos motiva a estudar melhor.
Existem muitos exemplos do nosso dia a dia nos quais a ansiedade é muito natural e inclusive útil. Mas também existem muitas ocasiões nas quais uma pessoa sente uma ansiedade muito intensa e, em lugar de ajuda-la a sobreviver, a está afetando e impedindo de funcionar na sua vida de forma positiva. É nesses casos que falamos dos transtornos de ansiedade e já é tempo de começar a aprender a eliminar essa ansiedade.
A principal característica de um transtorno de ansiedade é quando ela é causada por um medo irracional, ou seja, esse medo não tem sentido que esteja aí e está interferindo na vida normal da pessoa.
Los transtornos de ansiedade mais comuns são:
 
  •  Transtorno de Ansiedade Generalizada: caracteriza-se por uma ansiedade crônica, não muito intensa, mas que mantém a pessoa constantemente preocupada com assuntos de sua vida como financeiros, sua saúde, as relações pessoais e de trabalho. Estas preocupações são infundadas e, geralmente, levam-na a ficar irritadas, com tensão muscular, com dificuldade para dormir e dificuldade de concentração.
 
  •  Síndrome do Pânico: acontece em pessoas que apresentam episódios de pânico intenso, sem nenhuma razão aparente e em lugares ou situações totalmente inesperados. Esses episódios são conhecidos como ataque de pânico ou ataque de ansiedade. O sistema de alarme do organismo é ativado e a pessoa começa a sentir um medo intenso e uma sensação de que vai morrer, ao mesmo tempo em que tem reações físicas como taquicardia, dificuldade de respirar, náuseas, suor exagerado nas mãos e formigamento nos braços e pernas. A síndrome do pânico pode desencadear uma agora fobia, pois desenvolve o medo de sair de casa por imaginar que pode ter um ataque de pânico na rua e não ter quem a ajude.
 
  •  Agora fobia: é um medo de estar em lugares ou situações nas quais seria difícil escapar, ou onde a pessoa sente que ninguém a ajudaria se chega a ter um ataque de pânico. É bastante comum o medo de ir a shopping, supermercado, cinema, elevador, estradas, etc. O corre também o medo de ficar sozinho(a) em casa. Há momentos que a pessoa se sente mais tranquila se está acompanhada por alguém de sua confiança.
 



  • Fobia social: as pessoas com fobia social tem um medo intenso de estarem em situações sociais como festas, reuniões, cursos, etc. Qualquer situação onde a pessoa sinta que está exposta a críticas e a ser julgada pelos demais. Geralmente essas pessoas tendem a evitar qualquer tipo de interação social e acabam se isolando.



 

 

  •      Estresse pós-traumático: muitas pessoas que viveram experiências traumáticas como acidente, uma violação, um sequestro, uma guerra ou um terremoto, continuam sentindo o terror que sentiram no evento mesmo depois de muito tempo que tenham ocorrido. Elas têm pesadelos, lembranças repetitivas do evento, revivem a situação e o medo em sua mente como se estivesse ali novamente, medo que lhes aconteça algo de novo, perda do interesse nas atividades, falta de concentração e irritação.

 

  •  Transtorno obsessivo compulsivo: a obsessão refere-se a um pensamento repetitivo que não tem sentido, mas que continua aparecendo na mente da pessoa. A compulsão refere-se a uma conduta repetitiva que geralmente está alimentada pelo pensamento obsessivo. Esta conduta tem o objetivo de reduzir a ansiedade gerada pelo pensamento. Um exemplo comum é o de uma pessoa que tem que verificar várias vezes se fechou bem a porta antes de sair.
 




Todos nós apresentamos alguns comportamentos “estranhos” uma vez ou outra. Temos momentos emocionais variados, de transições e crises. Todos nós temos alguns medos ilógicos, algumas ideias intrusas em nossa consciência e estados de ansiedade mais intensos. Os sintomas são patológicos quando essas situações dominam a nossa vida mental, quando o sofrimento emocional passa a dominar nossa vida e nos impede de ter outras experiências, nos tirando a liberdade e nos deixando paralisados e sofrendo.
 
Reiki, o Aconselhamento Metafísico, a Radiestesia, a Cromoterapia, a Auriculoterapia, etc, podem ajudar e muito no tratamento desses transtornos. Venha falar comigo e saber como eu posso te ajudar.
Veja a agenda de eventos!

 

 

 

Ansiedade e seus Transtornos | Cristal Fanucci.

Como fazer remédio caseiro para ansiedade: 5 receitas – Comofas

Como fazer remédio caseiro para ansiedade: 5 receitas

A ansiedade é um problema que atinge cada vez mais pessoas no mundo. As exigências da vida moderna, além da nossa própria cobrança em alcançar os objetivos nos leva muitas vezes à situações que nos deixam ansiosos.

A ansiedade é geralmente nociva à saúde e gera distúrbios no organismo que vão desde dor de barriga até dores de cabeça, quando acontecem as crises de ansiedade. O sofrimento por antecipação, por dedução ou até por imaginação é uma das características da pessoa ansiosa. É necessário que a  descubrir o que desencadeia a ansiedade para resolver a raiz do problema. Além disso, as receitas de como fazer remédio caseiro para ansiedade podem ajudar a ficar mais tranquilo, no momento necessário.

Os pensamentos da pessoa ansiosa costuma ser acelerados, em consequência não consegue descansar ou relaxa quase nunca e, toda essa descarga de adrenalina constante, começa a intoxicar o organismo. Assim, os efeitos nocivos dessa intoxicação e da aceleração constante do coração, podem ser sentidos e sofridos pelo ansioso. Por isso é importante aprender como fazer remédio caseiro para ansiedade no intuito de diminuir os efeitos sobre o corpo.

Quando a ansiedade se torna incontrolável apresenta uma série de sintomas como a transpiração excessiva, taquicardia, falta de concentração, desconforto no estômago, pensamentos pessimistas e negativos.

Como fazer remédio caseiro para ansiedade

Receita 1: Chá de Alecrim, faça um chá com uma colher de sopa rasa das folhas de alecrim em uma xícara de água fervente e deixe abafada por uns minutos. Coe e adoce com mel, se preferir. Deve ser tomado de uma a duas vezes ao dia.

Receita 2:O chá de Tília é uma erva muito eficaz para acalmar a ansiedade, deve preparar uma infusão de tília bem concentrada e tomar nos momentos de ansiedade.

Receita 3: Faça um chá das folhas de erva cidreira (ou do capim-limão) em infusão numa xícara de água fervente, por alguns minutos. Podem ser bebidas de duas a três vezes ao dia.

Receita 4: No caso em que a ansiedade o levar a comer tudo o que encontrar em sua casa, prepare uma xícara de chá de Lúpulo e beba-o quando sentir fome, produto da tensão. Pode tomar um máximo de três xícaras de chá de Lúpulo por dia.

Remédio caseiro 5: A camomila é outra das ervas que se utiliza para acalmar a ansiedade, prepare uma infusão de camomila e bebê-la no momento em que esteja com ansiedade, o efeito é quase instantâneo.

Pense em fazer exercícios físicos e meditação para dispersar os pensamentos negativos. Praticar Yoga, Reiki, Tai Chi e a acupuntura são tambémtratamentos alternativos ideais para diminuir a ansiedade. Não se esqueça de reduzir o consumo de cafeína, pois ele é aumenta a ansiedade.

Com estas dicas de como fazer remédio caseiro para ansiedade você não terá dificuldades de resolver este problema. Se acaso persistir os sintomas procure um psicólogo.