A dieta que pode melhorar a sua visão – Terra.

Será possível amenizar, com mudanças na dieta, problemas de visão que se agravam com a idade? O médico e apresentador da BBC Michael Mosley foi atrás da resposta. Eis o que ele descobriu:

“Minha visão nunca foi boa. Passei a maior parte de minha vida usando óculos e, à medida que envelheço, a expectativa é que a situação apenas piore.

Publicidade

Quando a equipe do programa da BBC Trust Me, I’m a Doctor (“Confie em Mim, Sou Médico”, em tradução livre) me pediu para tentar tomar suplementos para melhorar minha visão, reagi com ceticismo – não sou fã de suplementos.

Mesmo assim fui me encontrar com John Barbur, professor da City University de Londres, para fazer um exame completo de visão.

Ele se interessou muito pela minha retina, a parte do olho sensível à luz, e me fez olhar para uma tela de computador no escuro durante horas, enquanto ocorriam outros exames e testes para medir minhas limitações na percepção de cores, minha visão noturna e minha capacidade de detectar objetos pequenos e imagens tênues.

Também foi medido o nível de proteção da área mais delicada da minha retina, a mácula, contra danos causados por luzes azuis de alta energia e raios UV.

Michael Mosley fez uma série de exames que comprovaram o declínio de sua visão
Michael Mosley fez uma série de exames que comprovaram o declínio de sua visão
Foto: BBC / BBCBrasil.com
Essa proteção, feita de um “pigmento macular” amarelado, é uma espécie de filtro solar natural que temos para proteger as células que detectam a luz.

Resultados

Os resultados foram fascinantes e deprimentes. Minha capacidade de detectar as cores amarela e azul era muito baixa. Minha visão noturna e percepção de detalhes também são baixas comparadas às de pessoas mais jovens, mas estão de acordo com a minha idade.

A equipe da BBC então me entregou um estoque de suplementos que duraria 90 dias e que deveriam ajudar.

Os suplementos têm concentrações de certos compostos encontrados em plantas. Foram extraídos de calêndulas, mas dois dos compostos mais importantes – luteína e zeaxantina – também são encontrados em uma série de alimentos que consumimos regularmente, como gemas de ovo, espinafre e couve.

Uma equipe de pesquisadores americanos elaborou receita de uma bebida diária que, eles esperam, possa fornecer a quantidade adequada de luteína e zeaxantina.

Era uma mistura de frutas e verduras como couve e kiwi com gorduras como leite e gérmen de trigo, que ajudam a absorver os compostos mais importantes.

Mudanças

Doze semanas depois, voltei à City University para ver se o consumo diário de suplementos tinha feito alguma diferença em minha visão.

Os resultados foram surpreendentes até para John Barbur: houve melhoras em vários aspectos de minha visão.

A minha percepção do azul e do amarelo tinha voltado ao normal e minha visão noturna estava muito melhor. Os níveis do pigmento macular de proteção também melhoraram.

John Nolan, da Universidade de Waterford, na Irlanda, não ficou tão surpreso. Ele e uma equipe de pesquisadores estudam os pigmentos maculares há anos e recentemente completaram um teste de um ano com mais de cem participantes no qual eles observaram resultados parecidos com os meus.

Eles perceberam que a mudança na dieta com os três pigmentos maculares – luteína, zeaxantina e mesozeanxantina – levou a melhoras significativas na proteção da mácula e também melhorou a visão.

Também há provas de que este tipo de suplementação pode ajudar a desacelerar ou até mesmo evitar a degeneração macular relacionada ao envelhecimento. Mas ainda existe polêmica em relação a estes resultados.

A pergunta é: devemos todos nós tomar suplementos para proteger e melhorar nossa visão?

Dieta x suplementos

A pesquisa demonstrou que os suplementos funcionam – mesmo para alguém como eu, que tem uma dieta relativamente saudável com muitas frutas e verduras. E, no meu caso, os níveis de compostos no sangue que não estavam particularmente baixos receberam uma forcinha desses compostos.

No entanto, alguns pesquisadores acreditam que apenas a dieta, sem os suplementos, pode ser o bastante.

Por exemplo, a luteína. É um composto amarelo sintetizado apenas pelas plantas. Elas sintetizam a luteína para absorver a luz azul como parte de seu mecanismo para capturar energia da luz do sol através da fotossíntese.

Os animais conseguem a luteína ao consumir plantas – espinafre e couve são boas fontes, ou a gema do ovo.

A luteína é usada como um suplemento para alimentar galinhas em granjas, para tornar as gemas de seus ovos mais amarelas e atraentes.

A zeaxantina é outro composto amarelo, quase idêntico à luteína, sintetizado por plantas para absorver luz. É o que dá a cor amarela ao milho, pimentões e ao açafrão.

A mesozeaxantina é uma forma da zeaxantina que geralmente não é encontrada em plantas mas é sintetizada no corpo a partir da luteína. É preciso fazer mais pesquisas para saber mais sobre a eficiência deste processo.

Ela é encontrada em alguns peixes (principalmente na pele), mas em suplementos contendo extrato de calêndula parece que o processo industrial pelo qual a calêndula passa pode criar a mesozeaxantina (e foi descoberta em alguns suplementos de extrato de calêndula, mesmo que não esteja listado no rótulo do suplemento).

Os voluntários que tomaram uma vitamina com as quantidades de plantas calculadas para aumentar as quantidades de luteína e zeaxantina realmente tiveram um aumento de luteína. Mas não de zeaxantina.

E isso deixa claro que é preciso mais pesquisa para elaborar uma receita melhor para a bebida.

Então, devido ao avanço atual das pesquisas, este pode ser um daqueles casos raros nos quais eu escolho os suplementos, principalmente para aqueles que não comem tantas verduras como deveriam, e para as pessoas mais velhas (que absorvem nutrientes com menos eficácia).

Mas, para todas as vezes em que mães e avós disseram que comer cenoura fazia bem para os olhos, eis um esclarecimento.

Apesar de a luteína e a zeaxantina (e a mesozeaxantina) serem compostos conhecidos como carotenoides, esses compostos são encontrados principalmente em plantas verdes ou nas partes verdes das plantas que ficam acima do chão.

E, se você quiser melhorar sua visão, vai ter mesmo que mastigar verduras (junto com algumas gorduras para ajudar na absorção destes compostos solúveis em gordura).”

Fonte: A dieta que pode melhorar a sua visão

Anúncios

Descubra a importância de fazer os exames da retina uma vez por ano | Cotidiano | Acritica.com | Amazônia – Amazonas – Manaus

Pelo menos uma vez por ano todo mundo deveria examinar a retina; no caso de pacientes idosos ou com doenças crônicas como hipertensão e diabetes, a  frequencia desses exames deve ser ainda maior, a depender de cada caso. A afirmação é do oftalmologista especialista em retina e vítreo, Dr. Thiago Russo, que alerta para a importância de diagnosticar e tratar qualquer tipo de alteração nessa região do olho, pois pode indicar risco de perda parcial ou total da visão.

“É muito importante fazer anualmente os exames de retina, entre eles os dois principais são o mapeamento da retina e fundo de olho, feitos no consultório com a dilatação prévia da pupila. Recomendo aos pacientes que geralmente vêm para consulta anual verificar o grau das lentes, fazerem esses exames. Idosos ou pessoas com doenças crônicas que afetam a vascularização dessa área, devem redobrar os cuidados e aumentar a periodicidade do acompanhamento feito em parceria com o médico endocrinologista”, indica.

A retina é a parte do olho onde estão as células que têm como função transmitir para o cérebro os estímulos luminosos para serem transformados em estímulos visuais. Os exames avaliam, principalmente, a região da retina chamada mácula – uma mancha circular escura – na zona central, onde há concentração dessas células.

Principais doenças

Entre as principais doenças, o especialista destaca o descolamento como uma das mais graves e que pode acontecer com qualquer pessoa,  porém as com alta miopia e esportistas como lutadores são mais suscetíveis.

“O descolamento pode se dar espontaneamente ou por meio de algum trauma como pancadas e quedas. Acontece quando o gel da retina se liquefaz. É preciso estar atento a sinais como flashes de luz, moscas volantes, cortina que encobre e causa perda do campo da visão e, ao menor deles, procurar o oftalmologista. O tratamento é a vitrectomia, cirugia que hoje está bem mais avançada e é feita mediante sedação, com pequenas incisões e não levam ponto”.

A rapidez no diagnóstico e tratamento é fundamental para evitar a perda da visão. “Se o deslocamento chegar até a mácula, o prognóstico fica um pouco comprometido. Se não chegou e o paciente percebe, a cirurgia atua bem e não tem perda”, reforça.

Já a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) é outra doença da retina que é considerada a principal causa de cegueira em pessoas idosas. Ela é hereditária e acomete principalmente quem tem acima de 60 anos, pele branca, olhos claros e/ou tabagistas. É caracterizada por druzas (manchas) que vão causando gradativamente a perda da visão. “O tratamento é feito com injeções intravítreo e antioxidantes que ajudam a estabilizar a doença”.

Outro problema que merece atenção com a saúde ocular é o diabetes. Segundo Russo, a retinopatia diabética é uma das principais complicações relacionadas à doença e a principal causa de cegueira em pessoas com idade entre 20 e 74 anos. Ela é caracterizada por microaneurismas (pontinhos de sangramento) na retina que podem até mesmo causar a perda total da visão. De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), 90% dos portadores do tipo 1 e 60% daqueles do tipo 2 apresentam algum grau de retinopatia.

“É muito importante que esse tratamento seja feito em conjunto com o endocrinologista. A partir do momento em que a pessoa é diagnosticada com a doença e inicia o tratamento para o controle, deve fazer os exames de mapeamento para documentar a situação da retina e acompanhar periodicamente de maneira a prevenir e tratar possíveis problemas”.

Tecnologia em favor da visão

O Dr. Thiago Russo ressalta que hoje cada vez mais a tecnologia está presente na oftalmologia, seja como aliada ao diagnóstico de doenças ou no tratamento das mesmas.
“É uma das áreas que mais evoluiu tecnologicamente.

Hoje temos as cirurgias refratárias  para a correção de miopia, hipermetropia e astigmatismo, com lasers de última geração. Um dos exames mais modernos para avaliação das diversas doenças retinianas é a Tomografia de Coerência Óptica (OCT), que permite o estudo detalhado de todas as camadas da retina sem o uso de contraste.

Por meio dele, é possível detectar edemas causados pela retinopatia diabética, oclusões vasculares causados por doenças degenerativas entre outras complicações. Temos também o ultrassom ocular para avaliar as estruturas e o descolamento de retina. Ou seja, a oftalmologia e a tecnologia são inseparáveis”.

Thiago Russo

Formado em  Medicina pela Universidade Federal do Amazonas; Fez residência em Oftalmologia pela Beneficência Portuguesa de São Paulo;
Especialização em Retina e Vítreo Clínica-Cirúrgica pelo Hospital do Servidor Público de São Paulo;
Especialização em Catarata pelo Hospital CEMA de São Paulo  e em Oftalmogia pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

Serviço

O quê: Oftalmologia e Exames da retina

Onde: Centro de Diagnóstico Oftalmológico da Amazônia (CEDOA) – Rua Rio Mar, 474, Vieiralves

Info: 3212-6002/6003

 

Fonte: Descubra a importância de fazer os exames da retina uma vez por ano | Cotidiano | Acritica.com | Amazônia – Amazonas – Manaus

Olhar Digital: Óculos usa infravermelho para ‘devolver visão’ a pacientes quase cegos

Pesquisadores da Universidade de Stanford desenvolveu um implante wireless que pode dar a pacientes com degeneração de retina um pouco de sua visão de volta. O dispositivo é posicionado atrás da retina, a parte do olho que contém as células fotorreceptoras que respondem à luz do mundo, desencadeando impulsos elétricos em outras células. Os impulsos são parte de uma reação em cadeia que envia dados do nervo óptico até ao cérebro. Em algumas doenças da retina, as células fotorreceptoras morrem, mas as células restantes não estão danificadas. As próteses visuais serviriam para esses casos, Diferentes próteses visuais células alvo diferentes dentro deste sistema para a estimulação elétrica.

O PRISMA utiliza o mesmo sinal de luz para transmitir a imagem do mundo exterior e para alimentar o chip implantado. A versão mais avançada do dispositivo tem 70 mícrons de pixels, cada um dos quais inclui fotodiodos e um eletrodo de estimulação. “Nós não podemos usar a luz ambiente para alimentar estes dispositivos porque ela não é forte o suficiente, por isso usamos a luz infravermelha de alta potência”, conta Henri Lorach, da Universidade de Stanford.

Testes 

Adaptado aos seres humanos, o dispositivo usaria óculos que contenham uma câmera de gravação. Um pequeno processador integrado no sistema é capaz de converter a gravação em uma imagem infravermelha, que será enviada através de feixes ao olho. A partir daí o chip recebe o padrão e estimula as células. Testes em ratos realizados pela empresa francesa Pixium Vision, responsável pela comercialização da tecnologia, mostraram que o cérebro responde à estimulação artificial da mesma maneira que à estimulação de luz natural.

A equipe também obteve excelentes resultados tratando de acuidade visual. Os roedores atingiram um nível de visão 20/250, o que significa que eles seriam capazes de ler as letras maiores em um cartaz de oftalmologista.

Para o futuro a ideia é chegar a 20/120, o que estaria abaixo do índice que determina a cegueira nos Estados Unidos. A companhia afirma que os testes clínicos devem começar a partir do ano que vem na Europa.
Via Spectrum

Olhar Digital: Óculos usa infravermelho para ‘devolver visão’ a pacientes quase cegos.

Glaucoma e catarata: conheça mitos e verdades sobre as doenças – Saúde – Bonde. O seu portal

Reprodução

O oftalmologista esclarece alguns dos principais questionamentos sobre o assunto. Confira abaixo os mitos e verdades acerca das doenças:

Não é possível confundir os sintomas da catarata com os sintomas do glaucoma: VERDADE.

A catarata é causada pela opacidade na lente natural do olho (cristalino) causando perda gradativa e lenta da visão de forma indolor. Outros sintomas são sensibilidade excessiva à claridade, visão turva, opaca ou nebulosa, dificuldade em distinguir diferentes tons de cores, e visão de halos ao redor das luzes. A forma mais comum do glaucoma em fase inicial é uma doença assintomática. Por isso é considerada uma doença traiçoeira. Por este e outros motivos, todas as pessoas indiferente da raça, sexo ou idade devem realizar uma consulta oftalmológica de rotina uma vez ao ano.

Colírios podem curar a catarata? MITO.

Com a tecnologia atual, a catarata ainda só é curada por meio da cirurgia. Ao contrário do que se imagina, o procedimento cirúrgico para tratar o problema pode ser realizado utilizando ultrassom associado ou não ao laser. Descrevendo de uma forma simples, o aparelho “aspira” o conteúdo interno do cristalino e uma lente é introduzida no lugar do conteúdo aspirado. A recuperação visual, amparada com o uso de colírios específicos, receitados pelo oftalmologista, geralmente ocorre em alguns dias.

A catarata não volta após a cirurgia: VERDADE.

O que pode ocorrer é a opacificação da parte posterior da cápsula transparente em que se coloca a lente intraocular. Isto ocorre em aproximadamente 10% dos casos. Descrevendo de uma forma simples, é realizado uma limpeza da parte posterior desta cápsula utilizando laser. Um procedimento rápido e indolor, mas deve ser realizado pelo oftalmologista especializado.

A visão perdida, nos casos de glaucoma, será restabelecida com o tratamento? MITO.

O tratamento do glaucoma não visa melhorar a visão periférica que já foi acometida. O tratamento visa retardar a evolução da doença. Além disso, os danos já causados são irreversíveis. Por este motivo, todo indivíduo deve realizar sua consulta de rotina com o seu oftalmologista.

O risco de sofrer glaucoma aumenta com a idade? VERDADE.

A causa do glaucoma é genética, mas existem outros fatores que podem desencadear a doença. A idade é um desses fatores. O risco aumenta sim, sendo mais comum após os 40 anos. Além disso, indivíduos com casos da doença na família têm risco maior de apresentar o problema. Por isso, devem ser examinados periodicamente pelo especialista.

A catarata é uma membrana que cresce em frente ao olho: MITO.

Muitas pessoas confundem a membrana que cresce na superfície da córnea, que se denomina pterígio, com a catarata. O pterígio pode crescer, deixar o olho avermelhado e, se atingir o centro da córnea, também pode baixar a visão. A catarata é interna e só pode ser vista a olho nu em casos muito avançados, quando se observa um reflexo esbranquiçado atrás da pupila.

A cirurgia de catarata é rápida e simples: MITO.

Muitas pessoas que já realizaram a cirurgia de catarata acham que o procedimento foi rápido, simples e com recuperação instantânea. Porém desconhecem que tudo isso envolve uma série de fatores que torna o procedimento ágil, mas extremamente complexo.

Para uma cirurgia de catarata ser bem realizada, existem alguns fatores essenciais, como: local hospitalar, aparelhos que realizam a cirurgia, condições de esterilizações, instrumentos microscopicamente delicados e precisos, microscópio cirúrgico, entre outros. Além disso, o cirurgião controla o aparelho de cirurgia (chamado facoemulsificador) com o pé direito, o microscópio com o pé esquerdo, e seus instrumentos de alta precisão nas mãos. Para realizar uma cirurgia de catarata o médico deve realizar um treinamento de 2 a 3 anos e depois deve se aprimorar mais 3 a 4 anos para ser um bom cirurgião oftalmológico.

Por isso, é sempre bom lembrar que a escolha do profissional oftalmologista é determinante para o sucesso, não só de uma cirurgia, mas de todos os tratamentos necessários para o paciente e para um acompanhamento de rotina seguro e preciso.

É possível livrar-se dos óculos após a cirurgia de catarata? VERDADE.

De uma forma geral, sim. Mas nem todos irão ter essa sorte. Atualmente existe uma grande variedade de lentes intraoculares para a cirurgia de catarata. Cada paciente deve realizar um exame minucioso para seu médico poder optar a melhor lente de acordo com o caso. Hoje, existem as lentes monofocais, multifocais e as acomodativas. O cirurgião deve conversar com o paciente com relação às suas expectativas de visão de longe, perto, e meia distância, reduzindo a necessidade de uso de óculos. Tais condições podem ser realizadas em quaisquer das lentes intraoculares citadas. Converse com seu médico especialista para maiores informações sobre seu caso.

O paciente, uma vez tratado, está curdo do glaucoma: MITO.

A doença não pode ser curada, mas sim pode ser controlada. A maneira mais simples é com o uso de colírios. Outra forma é usar um laser específico ou realizar uma cirurgia para escoar o líquido interno do olho, denominado humor aquoso. De uma forma geral, em torno de 2 a 3% dos pacientes com glaucoma necessitam de algum procedimento cirúrgico.

Crianças podem ter glaucoma? VERDADE.

Elas podem ter o chamado glaucoma congênito ou glaucoma infantil. Ambos são raros e podem se instalar logo após o nascimento. No caso do congênito, a criança já nasce com alterações no olho, provocadas pelo aumento da pressão intraocular ocorrida durante a gestação. As manifestações clínicas aparecem no decorrer do primeiro ano de vida e se caracterizam pelo globo ocular aumentado e alterações na transparência da córnea, que fica branco-azulada.

 

Glaucoma e catarata: conheça mitos e verdades sobre as doenças – Saúde – Bonde. O seu portal.