Genes da esquizofrenia protegem do mal de Alzheimer, diz estudo – Terra

Os genes da esquizofrenia protegem do mal de Alzheimer com prognóstico mais grave, que é o que apresenta sintomas psicóticos, segundo um estudo internacional do qual participou a Fundação ACE (Barcelona Alzheimer Treatment & Research Center).

O estudo foi liderado pela Universidade de Pittsburgh (EUA) e foi feito com a análise de seis mil mostras de DNA de pacientes de Alzheimer, das quais 1,2 mil foram fornecidas pela fundação de Barcelona.

O estudo, publicado na revista científica “Molecular Psychiatry”, do grupo editorial “Nature Publishing Group”, constata a existência de uma determinada combinação de genes ligados à esquizofrenia que protegem seu portador de sofrer do Alzheimer mais grave: o Alzheimer com psicose.

A pesquisa parte de uma tese prévia que demonstra que 61% dos fatores que produzem a psicose são genéticos e seu objetivo é identificar os mecanismos que agravam este tipo de demência.

Segundo um comunicado da Fundação ACE, as causas que explicariam esta descoberta ainda não são conclusivas, embora uma das teorias atribua a uma mudança de comportamento dos genes, em diferentes épocas da vida ou no contexto de doenças diferentes.

O Alzheimer com psicose é, neste momento, a demência com pior prognóstico, pois o desenvolvimento da doença é mais rápido, o transtorno de conduta se aguça, a expectativa de vida se reduz e a possibilidade de ter que internar o paciente é maior.

Esta variante, que afeta mais de 40% das pessoas com Alzheimer, foi objeto de estudo em várias ocasiões por parte dos cientistas a fim de averiguar qual é o mecanismo que produz a ferocidade deste tipo de demência.

Tradicionalmente, acreditava-se que o portador dos genes de Alzheimer era também portador de alguns genes de psicose, uma teoria que parece estar descartada a partir dos estudos genéticos, segundo a fundação.

Com os resultados desta pesquisa, abre-se agora uma nova oportunidade para realizar ensaios clínicos que apontem nesta mesma direção para reconsiderar o efeito dos antipsicóticos no tratamento desta variante do Alzheimer.

Os cientistas têm o propósito de ampliar este estudo em um futuro com a análise de um maior número de mostras.

EFE  

Fonte: Genes da esquizofrenia protegem do mal de Alzheimer, diz estudo

Anúncios

Método para detectar Alzheimer é testado com êxito no Japão DIARIO DIGITAL

 

Novo método para detetar Alzheimer em fase inicial testado com êxito no Japão

Cientistas japoneses confirmaram a eficácia de um novo método de análise capaz de detetar a doença de Alzheimer nas fases iniciais, sem necessidade de recorrer aos atuais procedimentos dolorosos .

O projeto foi levado a cabo conjuntamente por peritos do Centro Japonês de Geriátricos e Gerontologia e uma equipa de cientistas da empresa japonesa Shimadzu, liderados pelo Prémio Nobel de Química em 2002, Koichi tanaka, publica hoje a estação pública nipónica HNK, citada pela agência Efe.

Utilizando a tecnologia que a equipa de Tanaka desenvolveu em 2013 para detetar no sangue a acumulação de proteínas beta-amiloide, uma das prováveis causas do Alzheimer, ambas as equipas levaram a cabo análises de sangue em mais de 60 pessoas com idade avançada.

Diário Digital / Lusa

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=744102

Jornal Hoje – Exame de sangue pode prever chances de desenvolver Alzheimer

Cientistas britânicos criaram um exame de sangue que pode prever o risco de uma pessoa desenvolver Alzheimer. Com 44 milhões de pessoas afetadas pela doença mundo afora, é uma notícia potencialmente bem animadora.

Os pesquisadores conseguiram identificar, no sangue, um conjunto de proteínas capaz de prever o surgimento do Alzheimer com 87% de precisão. Isso significa que os pacientes poderiam ser tratados no estágio inicial da doença e não apenas quando os primeiros sintomas começarem a aparecer – o que pode levar uma década pra acontecer.

Agora, novos testes com pacientes ainda precisam ser feitos antes que o exame esteja disponível em clínicas e hospitais. E isso deve demorar dois anos, no mínimo.

 

 

Jornal Hoje – Exame de sangue pode prever chances de desenvolver Alzheimer.

Exame de sangue prevê se pessoa saudável terá Alzheimer – Diário do Grande ABC

Agência Estado

Um novo teste sanguíneo pode detectar com 90% de precisão se uma pessoa desenvolverá Alzheimer ou deficiências cognitivas leves nos próximos três anos, segundo estudo publicado na última edição da revista científica Nature Medicine. A pesquisa, realizada na Universidade de Georgetown, nos EUA, detectou que alterações no sangue podem indicar que o paciente tem Alzheimer em estágio bem inicial.

s pesquisadores examinaram 525 pessoas saudáveis com mais 70 anos por cinco anos e identificaram dez fosfolípidos (componentes da membrana celular) que poderiam apontar se os pacientes desenvolveriam a doença. Eles perceberam que as pessoas que tiveram Alzheimer ou deficiências cognitivas leves tinham níveis mais baixos dos dez fosfolípidos. Esta é a primeira pesquisa científica que mostra diferenças nos biomarcadores de sangue entre pessoas que terão Alzheimer nos próximos anos e aquelas que não terão a doença

 

Exame de sangue prevê se pessoa saudável terá Alzheimer – Diário do Grande ABC.