Um teste que pode ser feito em casa e leva menos de 15 minutos para ser finalizado está sendo considerado uma ferramenta confiável para avaliar as habilidades cognitivas de uma pessoa – e assim ajuda a identificar os primeiros sinais de doenças como o Mal de Alzheimer ou uma demência em estágio inicial. O exame, chamado SAGE (sigla para Self-Administered Gerocognitive Examination (Exame Gerocognitivo Autoaplicável, em tradução livre), pode ser administrado no ambiente doméstico e compartilhado com o médico, que então deve identificar os sintomas. Desenvolvido por um especialista americano, o teste exige apenas papel e caneta.

O exame consiste em algumas perguntas sobre orientação (como “que dia é hoje?”), linguagem (fluência verbal e capacidade de dar nomes a imagens), raciocínio (capacidade de abstração aliada a cálculos), resolução de problemas e capacidade de lembrar de fatos recentes. Das 1,047 pessoas testadas no centro médico onde o teste foi desenvolvido, 28% tiveram identificado algum índice de comprometimento cognitivo.

Apesar de não diagnosticar problemas como o Mal de Alzheimer, esse simples teste consegue garantir aos médicos uma base para avaliar a função cognitica dos pacientes – melhor do que apenas conversando e observando seu comportamento. Ao observar os sintomas iniciais de uma doença neurológica, especialistas podem acompanhar o desenvolvimento de doenças que atingem o cérebro e agir mais rapidamente, se necessário.

É comum que os médicos não consigam diagnosticar os pacientes corretamente a partir apenas de visitas rotineiras aos consultórios, destaca Douglas Scharre, autor do teste e diretor da Divisão de Neurologia Cognitiva. O difícil, segundo ele, é identificar déficits sutis de cognição que aparecem no dia a dia e podem indicar males como a demência. O estudo foi publicado na revista científica The Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences.

A ideia dos pesquisadores da Universidade do Estado de Ohio é mostrar que é possível e eficiente aplicar testes simples, que podem servir como diagnóstico para um grande número de pessoas. O doutor Scharre afirma que o tratamento é muito mais eficaz quando o diagnóstico é feito logo que surgem os primeiros sintomas, mas a maior parte dos pacientes de três a quatro anos até buscar ajuda. O teste caseiro, por enquanto disponível apenas em fase de estudos nos Estados Unidos, ainda não tem previsão para chegar aos consultórios.

 

Teste caseiro pode detectar primeiros sinais do Mal de Alzheimer – Terra Brasil.

Anúncios