Mau hálito pode piorar na menopausa – Terra

Toda mulher sabe que quando a menopausa chega é preciso estar preparada para enfrentar mudanças no corpo e no comportamento. Além de calorões e oscilações de humor, se ela vacilar pode adquirir também mau hálito. Mas o que mudanças hormonais têm a ver com a saúde da boca? É isso que nós vamos explicar agora.

Na verdade, a menopausa em si não provoca a halitose. Contudo, mudanças hormonais e fisiológicas associadas à menopausa podem causar várias alterações bucais que predispõem ao mau hálito. “Como redução do fluxo salivar e xerostomia (sensação de boca seca), aumento da incidência de cárie, disgeusia (sensação de paladar alterado), maior prevalência de sensação de ardência bucal, agravamento da doença periodontal (devido à osteoporose e osteopenia), entre outras”, diz Maria Cecília Aguiar, Presidente da ABHA (Associação Brasileira de Halitose).

Nem todas as mulheres sentem calores intensos durante a menopausa. Dessas, nem todas desidratam, pois algumas têm excelente consumo de líquidos, o que ameniza o mau hálito
Nem todas as mulheres sentem calores intensos durante a menopausa. Dessas, nem todas desidratam, pois algumas têm excelente consumo de líquidos, o que ameniza o mau hálito

Foto: Robert Kneschke / Shutterstock

Papel importânte da saliva
Dos problemas citados acima, as alterações salivares merecem destaque pelo fato de a saliva ter um papel fundamental na manutenção de um bom hálito. Em condições ideais, o fluxo salivar é contínuo e ajuda a eliminar restos de alimentos acumulados, placa bacteriana dos dentes e saburra lingual. Também nessas circunstâncias, os microrganismos da boca que normalmente se multiplicam, são eliminados constantemente pela deglutição e pelas propriedades antissépticas da saliva.

“Porém, em casos de consumo de certos medicamentos ou devido à desidratação causada pelos calores da menopausa, a produção de saliva diminui, favorecendo o acúmulo de resíduos e a proliferação de microrganismos no ambiente oral, o que, por sua vez, favorecem o mau hálito”, diz Maria Cecília.

Mulheres mais suscetíveis
No entanto, isso não acontece com todas as mulheres. Primeiramente, nem todas as mulheres sentem calores intensos durante a menopausa. Dessas, nem todas desidratam, pois algumas têm excelente consumo de líquidos, o que compensa o problema.

“Das que desidratam, mesmo estando mais propensas devido às alterações bucais (da saliva, das gengivas etc.), algumas têm um ritual de higiene bucal tão minucioso que controla a halitose ou simplesmente têm a sorte de terem bactérias menos agressivas na boca. Ou seja, nem toda mulher na menopausa terá halitose, embora estejam mais susceptíveis”, diz a especialista.

Tratamento e hábitos
Apesar dos fatores hormonais e inevitáveis dessa fase, a halitose não precisa ser mais um problema para a mulher. “O mau hálito tem controle e tratamento nessa e em qualquer outra fase da vida. Para tanto, o mais importante é o diagnóstico preciso dos fatores que predispõem ao problema para que possam ser combatidos em sua origem”, diz Maria Cecília.

Alguns hábitos também podem ser revistos para ajudar a espantar esse mal. “Ficar muitas horas em jejum, tomar medicamentos por conta própria, visitar o dentista apenas em último caso e usar enxaguantes bucais com álcool são alguns costumes que devem ser evitados”, diz a especialista.

Aliás, esse negócio de ficar muito tempo sem ingerir alimentos é coisa séria e pode causar hipoglicemia e salivação deficiente. A glicose sanguínea baixa induz ao organismo utilizar as reservas de gordura como fonte alternativa de energia gerando como subprodutos os corpos cetônicos, substâncias de odor desagradável semelhante ao de manteiga rançosa. A salivação deficiente, por sua vez, prejudica a autolimpeza bucal permitindo acúmulo de resíduos e de bactérias que liberam gases mau-cheirosos ricos em enxofre, responsáveis pela halitose.

“Já consumir diariamente a quantidade de líquidos adequada (essa quantidade é individualizada conforme peso corpóreo, estilo de vida, hábitos etc. Um cálculo simples é multiplicar 35ml de líquidos para cada kg de peso por dia), consumir alimentos ricos em fibras que favorecem a mastigação e a produção de saliva como granola, frutas frescas e secas, cenoura, beterraba cruas, folhagens e castanhas, higienizar a boca após as refeições, visitar o cirurgião-dentista regularmente e estar com a saúde em dia, o que inclui realizar check-ups médicos, atividades físicas, drenar o estresse e ter tempo para o lazer são hábitos que espantam o mau hálito e dão qualidade de vida para qualquer pessoa”, diz a especialista

Fonte: Mau hálito pode piorar na menopausa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s