Homem desenvolve caso raro de melanoma nas gengivas | Ciência Online – Saúde, Tecnologia, Ciência

 

Um homem de 45 anos na China, que desenvolveu uma grande descoloração escura nas suas gengivas superiores tinha um tipo raro de melanoma, um cancro que geralmente ocorre na pele, de acordo com um novo relatório do seu caso. “Este é um tipo incrivelmente raro de melanoma”, disse Susan Muller, professora de patologia da Universidade de Emory, que não estava envolvida com o caso. Este tipo de melanoma, medicamente conhecido como melanoma da mucosa, constitui menos do que 1% de todos os casos de melanoma, afirmou Muller em entrevista ao LiveScience. A área das gengivas do homem que foi mais pigmentada media cerca de 1.5 centímetros de largura por 4 cm de comprimento. Quando uma biópsia mostrou que a lesão escura era, de fato, cancerosa, os médicos removeram não só as gengivas, mas também partes da mandíbula superior do homem de acordo com o relatório de caso, publicado a 9 de outubro no The New England Journal of Medicine. O melanoma é o cancro de melanócitos, as células que produzem os pigmentos que dão a cor à pele. É o tipo menos comum de cancro da pele, mas um dos mais perigosos se não for diagnosticado no início. As células de melanócitos existem também em algumas outras partes do corpo – por exemplo, nos olhos, seios nasais e boca – mas a sua função nestes locais não é clara. “Neste momento, nós não sabemos, em primeiro lugar, porque há melanócitos na boca e, segundo, o que faz com que essas células se tornem malignas”, afirmou Muller. Muller e seus colegas já observaram pessoas com melanomas na região da cabeça e pescoço que foram tratados na Universidade de Emory e hospitais afiliados. Ao longo de um período de 20 anos, encontraram 22 pessoas que tiveram melanoma nos seios, e apenas oito pessoas que tiveram melanoma na boca. O estudo foi publicado na revista Oral Oncology, em 2008. De forma semelhante ao homem no novo relato de caso, em todos os casos de melanoma oral no estudo de Muller, o cancro cresceu na maxila e céu da boca do paciente. ” Nós não temos nenhuma ideia do porquê de isso acontecer”, disse Muller. No caso do homem, quando os médicos fizeram o seguimento do paciente seis meses após a cirurgia, eles não encontraram sinais de que o cancro tivesse voltado. A pigmentação na boca não é incomum, e pode ser causada por muitas coisas, observa Muller. Apesar de manchas escuras na boca poderem parecer melanoma, elas são geralmente benignas. O tratamento de melanomas que ocorrem na região de cabeça e pescoço pode ser um desafio. Ao remover qualquer tumor, os médicos gostam de ter “margens livres”. Isso significa que eles tiram uma área grande o suficiente de tecidos ao redor do cancro para diminuir a chance das células cancerosas permanecerem no corpo. Isto pode ser problemático quando o cancro está na área da cabeça e pescoço, disse Muller. “Se você tem cancro no fígado, eles podem remover o fígado, mas se você tem cancro na cabeça, você não pode remover a cabeça”, disse Muller. Além do mais, melanomas na região de cabeça e pescoço não são tão sensíveis à quimioterapia utilizada para os melanomas da pele. Outro desafio no tratamento de alguns casos é que o melanoma pode ficar escondido da vista. Quando isso acontece nos seios, pode ser difícil perceber. No entanto, o melanoma na boca pode ser detectado precocemente, por dentistas e pacientes, disse Muller. – See more at: http://www.ciencia-online.net/2013/10/cancro-nas-gengivas.html#sthash.w7P6VyeE.dpuf

 

Homem desenvolve caso raro de melanoma nas gengivas | Ciência Online – Saúde, Tecnologia, Ciência.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s